TARDES INTERATIVAS

O Programa Sensibilizando Olhares, Compartilhando Saberes é voltado para todos aqueles que têm interesse nas questões ambientais. A ideia é disseminar informações, trocar saberes e sensibilizar o público para o fortalecimento de projetos e ações educativas em consonância com a política municipal de educação ambiental.

 

Tardes Interativas é uma iniciativa que visa à troca de saberes e de experiências entre os participantes e profissionais de diversas áreas de forma on-line e em tempo real, envolvendo apresentações e bate-papos que agregam informações teóricas e práticas sobre meio ambiente e educação ambiental de forma multidisciplinar.

As Tardes Interativas são planejadas e mediadas por profissionais de nossa equipe trazendo questões ambientais contemporâneas sob diversas perspectivas. O público interage com profissionais de diversas áreas, compartilhando saberes e experiências. Os encontros on-line contam com um ou dois convidados e os participantes têm a oportunidade de se comunicar com os mesmos por chat ou diretamente pelo uso do microfone.

 

São emitidos certificados, a carga horária é de 2h.

MACROTEMA:
Arborização e bem-estar nas cidades

DATA

29.09 

(quarta-feira)

HORÁRIO

14h - 16h

Apresentação pelo

1280px-Google_Meet_text_logo_dark.svg.pn

A arborização urbana traz uma série de benefícios à saúde humana e ambiental, sobretudo quando realizada de forma planejada. Nesta Tarde Interativa, serão abordados aspectos relacionados ao grau de interferência proporcionado pela arborização no conforto térmico e bem-estar da população incluindo aspectos físicos e psicológicos. E também será apresentado o Programa Meu Bairro Mais Verde e outros projetos que envolvem a arborização urbana realizados pelo Departamento de Manutenção de Áreas verdes da Prefeitura Municipal de Santo André.  

Para falar sobre estes assuntos, estarão presentes:   

Léa Yamaguchi Dobbert

Arquiteta e Urbanista pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, mestrado em ciências pelo departamento de Recursos Florestais/ Universidade de São Paulo/ ESALQ, doutorado em ciências pelo departamento de Recursos Florestais/ Universidade de São Paulo/ ESALQ. Pós doutorado pelo departamento de Projetos da Faculdade de Arquitetura Urbanismo e Design FAU/USP. Tem experiência na área de Arquitetura e Construção com ênfase em Projeto e Paisagismo, atuando principalmente nos seguintes temas: projeto arquitetônico, paisagismo, desenho urbano, conforto ambiental, conforto térmico, arborização urbana. Docente no Instituto Federal do Estado de São Paulo (Campus Jacareí).

Tema: Arborização urbana e conforto para os usuários

Marialice Batelli Mugaiar

Engenheira agrônoma, trabalhando há mais de 30 anos na área de produção de plantas ornamentais, arborização urbana e paisagismo. Grande experiência na elaboração e implantação de projetos paisagísticos em áreas públicas e particulares, tanto urbanas como rurais, projetos de restauração ambiental e sustentabilidade, manejo de arborização urbana, produção de plantas ornamentais e florestais. Atuação em implementação de legislação ambiental em diversos municípios, visando o bem estar e conforto em grandes cidades e na preservação das áreas verdes. Atualmente estou como diretora do DMAV- Departamento de Manutenção de Áreas Verdes- Secretaria de Manutenção e Serviços Urbanos da Prefeitura de Santo André.

Tema:  Arborização urbana  – projetos e práticas em Santo André

Alexandre Calegaro

Eng° Agrônomo– FAFRAM –SP. Experiência prática em projetos de plantio, manutenção e avaliação de risco de árvores, desde 2012 como servidor na Prefeitura de Santo André. 

Tema:  Arborização urbana  – projetos e práticas em Santo André

Carla Freitas Affonso

Há 16 anos atua na área de meio ambiente,  graduada em ciências biológicas, licenciada e bacharelada em meio ambiente pela UNIABC, com MBA em gestão ambiental e  gestora de projetos pela Fundação Santo André , experiência com projetos sustentáveis na área de meio ambiente, políticas públicas ambientais, obras públicas de implantação de áreas verdes,  arborização urbana e construção civil de grande porte. Coordenei departamento de educação ambiental em prefeitura da Região do Alto Tietê com projetos de âmbito federal, resgate de fauna e flora na obra do rodoanel norte e atualmente é assistente da diretoria no departamento de manutenção de áreas verdes.

Tema:  Arborização urbana  – projetos e práticas em Santo André

MACROTEMA: PARQUE NASCENTES: GESTÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

Com grande beleza cênica e um importante patrimônio ambiental andreense, o Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba é uma Unidade de Conservação de Proteção Integral criada pela Prefeitura Municipal de Santo André e desde 2003, tem possibilitado a realização de pesquisas científicas de grande relevância para conservação da Mata Atlântica, ecoturismo, visitas pedagógicas voltadas à promoção da educação ambiental e o envolvimento da comunidade local em sua gestão. Nesta Tarde Interativa foi possível conhecer  os principais programas do Plano de Manejo do Parque Nascentes, aspectos relacionados ao uso público, locais de visitação, critérios de visitação, capacidade de suporte das trilhas e o processo de formação e parceria com a comunidade e como isso se reflete da gestão do Parque, seus principais desafios e perspectivas.

PALESTRANTES

Leandro Wada Simone

Biólogo, mestre em Planejamento e Gestão do Território pela Universidade Federal do ABC. Atualmente é gerente de recursos naturais na Prefeitura Municipal de Santo André.

Tema:  Plano de Manejo e Uso Público do Parque Nascentes de Paranapiacaba: da formação comunitária à gestão

Israel Mario Lopes

Socioambientalista e monitor ambiental e cultural na Vila de Paranapiacaba.

Tema:  Do Programa de Jovens à monitoria ambiental  no  Parque Nascentes: vivências  e construções conjuntas

MACROTEMA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: DAS POLÍTICAS AO COTIDIANO

Diante da crise civilizatória em que vivemos, a educação ambiental continua sendo cada vez mais necessária em nossa sociedade, mas sobretudo, dentro de uma perspectiva crítica e de política pública ampliada que envolve múltiplos atores em sua construção e implementação. Por este prisma, quais as dimensões das políticas públicas de Educação Ambiental? Como se inserem e se relacionam ao cotidiano da população? Os mecanismos de governança participativa têm contribuído para que sejam mais  duradouras? Quais os conflitos e desafios? Além destas questões, nesta Tarde Interativa foi compartilhado informações sobre o Programa Estadual de Educação Ambiental (ProEEA) de São Paulo, elucidando como vem sendo realizada sua construção de modo a garantir o diálogo ampliado com os diversos segmentos da sociedade. 

Semíramis Biasoli

Doutora em Ciências, com ênfase em Políticas Públicas de Educação Ambiental  pela ESALQ USP. Membro da REPEA Rede Paulista de Educação Ambiental e Pesquisadora junto a OCA - Laboratório de Educação e Política Ambiental, do Departamento de Ciências Florestais da ESALQ/USP. É Secretária geral do FunBEA - Fundo Brasileiro de Educação Ambiental desde 2010.

Tema: Educação Ambiental: uma política pública do cotidiano?

PALESTRANTES

Malu Freire

Geógrafa e Coordenadora de Educação Ambiental da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA) do Governo do Estado de São Paulo.

Tema: Programa Estadual de Educação Ambiental: processo e perspectivas

MACROTEMA: FAUNA SILVESTRE E SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL

A existência de diversos fragmentos remanescentes da Mata Atlântica em todo Estado de São Paulo contribui para que a fauna silvestre esteja presente no cotidiano das cidades, sobretudo em áreas próximas às Unidades de Conservação. A proteção da fauna silvestre é um desafio que envolve políticas públicas efetivas, fiscalização e sobretudo, a sensibilização e educação ambiental da população. Nesta Tarde Interativa, conhecemos um pouco mais sobre o cotidiano do Centro de Recuperação de Animais Silvestres do Parque Ecológico do Tietê e fizemos um bate papo sobre casos específicos atendidos no município de Santo André pelo Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal, além das formas pelas quais a população pode contribuir no resgate e proteção da fauna silvestre.

PALESTRANTES

Daniela Victor da Silva Freire

Bióloga, Encarregada de Bem Estar Animal da Prefeitura de Santo André 

Tema: Encontrei um animal silvestre, e agora?

Valéria Pedro

Bióloga no Centro de Reabilitação de Animais Silvestres do Parque Ecológico do Tietê (CRAS PET), gerido pela Fundação Parque Zoológico de São Paulo.

Tema: Reabilitação de fauna silvestre: realidade e desafios

MACROTEMA: BEM-ESTAR ANIMAL 

O Bem-Estar animal envolve uma série de ações integradas no âmbito das políticas públicas e do cotidiano dos cidadãos, relacionando-se à saúde humana e também à sustentabilidade. Por meio de dois olhares diferentes, porém complementares, esta Tarde Interativa abordou as principais ações realizadas pelo Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal do munícipio de Santo André e também possibilitou a troca de informações sobre aspectos relacionados à saúde, sociabilidade e melhoria da comunicação entre cães e seus donos por meio do adestramento.

PALESTRANTES

Edilene Vieira Fazza

Engenheira ambiental, mestre em Gestão e Planejamento do Território pela UFABC e Gerente de Programas de Bem Estar Animal.

Tema: Programas de Bem-Estar Animal - a experiência de Santo André

Paulo Alves

Biólogo, trabalha há 6 anos como adestrador profissional buscando melhorar a relação entre os pets e seus donos, proporcionando uma convivência harmoniosa.

Tema: Saúde, bem-estar animal e adestramento: conceitos e práticas

MACROTEMA: RECURSOS HÍDRICOS, JUSTIÇA AMBIENTAL E GÊNERO

Sabemos que o acesso a água e ao saneamento básico e ambiental, por diversos fatores é desigual em nosso país e esta realidade traz diversos impactos ao ambiente e à saúde pública. Assim como o acesso, a distribuição dos riscos socioambientais se dá de forma desigual. Como o modelo de gestão das águas no Brasil e os processos de governança participativa interferem nestes processos? Como as desigualdades sociais e as questões de gênero estão relacionadas ao saneamento e a governança da água? Por meio do compartilhamento das experiências de duas importantes pesquisadoras brasileiras estas e outras questões farão parte de mais um bate-papo das Tardes Interativas.

ods 1 TESTE.png
ODS BOLINHA 5.png

PALESTRANTES

Ana Paula Fracalanza

(Graduada em Ciências Sociais e Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas, mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas  e doutora em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Fez Pós-doutorado em Geografia, na temática de Governança da Água, em Girona, na Espanha. Participa do Grupo de Pesquisa Meio Ambiente e Sociedade do Instituto de Estudos Avançados - IEA/ USP. Professora do Programa de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política da EACH/USP e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental - IEE/USP. )

Tema: Saneamento básico, gênero e justiça ambiental

Vanessa Lucena Empinotti

(Engenheira agrônoma, mestre em Ciência dos Solos pela UFRGS e doutora em Geografia, com especialização em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Colorado – Boulder - EUA. Professora adjunta do Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas e do Programa de Pós Graduação em Planejamento e Gestão do Território na UFABC.)

Tema:  Governança da água e gênero - reflexões e desafios

MACROTEMA: Meio Ambiente, Infância e Consumismo

De onde vem nossa necessidade de consumo  e qual sua relação com a publicidade? Por onde  esta necessidade começa? Ou melhor, quando?

 

Não há dúvida de que os interesses de mercado influenciam a publicidade para os diversos públicos, incluindo as crianças. A infância é uma fase da vida de importante significado para o desenvolvimento humano e sob esse aspecto, refletir sobre a relação entre mídia e consumo na infância é fundamental, mas como podemos promover uma infância livre de consumismo e ao mesmo tempo nos conectarmos mais com o ser criança? Como podemos nos desconectar das telas e promover experiências transformadoras que contribuam  com uma relação mais positiva em relação ao meio ambiente e a nossa saúde? Essa Tarde Interativa realizada em dezembro de 2020, trouxe estas e outras questões para discussão. 

Maíra Bosi

(Coordenadora de comunicação do programa Criança e Consumo, do Instituto Alana, Mestra em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e graduada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal do Ceará - UFC)

Tema: Consumismo e Infância

PALESTRANTES

Maria Isabel

Amando de Barros

(Engenheira Florestal e mestre em Conservação de Ecossistemas pela ESALQ/USP, sempre trabalhou com educação e conservação da natureza. É cofundadora da Outward Bound Brasil e atuou na gestão e manejo de unidades de conservação na Fundação Florestal do Estado de São Paulo. Depois do nascimento da Raquel e do Beni passou a estudar a relação entre a infância e a natureza no mundo contemporâneo. Desde 2015, trabalha como pesquisadora do programa Criança e Natureza do Instituto Alana)

Tema:  Infância, telas e conexão com a natureza: possibilidades e desafios

MACROTEMA: Meio Ambiente, Infância e Participação

Conhecer um determinado território é uma das ações fundamentais no processo de construção de cidades mais sustentáveis e para isso é essencial que se realize uma leitura deste espaço vivo e dinâmico, não só sob o ponto de vista biofísico, mas também sob a perspectiva das percepções e aspirações de seus habitantes. E neste processo, além de jovens e adultos, as crianças também têm voz e contam com uma capacidade imaginativa e criativa muito significativas para a transformação das cidades. A criança fala com o mundo, em seu imaginário tudo tem vida e os significados que atribuem ao local em que vivem e seus anseios podem ser exteriorizados de diversas maneiras, sobretudo, pela brincadeira. Sob este prisma, como a participação infantil pode contribuir para planejamento urbano e a construção de cidades mais dialógicas e sustentáveis? A partir de diferentes experiências, esta e outras questões foram apresentadas por meio de relatos de instrumentos e metodologias que a partir da escuta, do diálogo, da imaginação e do lúdico contribuem para pensar e transformar as cidades sob o olhar infantil. 

PALESTRANTES

Dra. Ana Paula de Oliveira Lepori

(Doutora em projetos, arquiteta e urbanista, atua na Unidade de Planejamento Estratégico da Prefeitura Municipal de Santo André)

Tema: Instrumentos para construção de uma cidade dialógica sob o olhar infantil

NAY -PALESTRAS.gif

M.ª Nayana Brettas

(Mestre em sociologia infantil, socióloga e fundadora da ImaginaC)

Tema: Criança e Imaginação - decole no foguete ImaginaC que te conecta com a imaginação que transforma.

MACROTEMA: Meio Ambiente, Saúde e Pandemia

Em duas abordagens diferentes, porém complementares, foi destacado a importância do meio ambiente como um importante determinante de saúde, trazendo dados sobre as relações entre a Covid-19, poluição do ar e saúde à luz da metodologia de Avaliação de Impacto à Saúde e suas contribuições à gestão ambiental, além da perspectiva dos fatores sociais e culturais que influenciam a percepção de risco da população no contexto da pandemia do coronavírus.

PALESTRANTES

Dra. Gabriela Marques Di Giulio (professora do Departamento de Saúde Ambiental da Faculdade de Saúde Pública - USP)

Tema: Meio Ambiente, pandemia e percepção de risco

Dra. Simone El Khouri Miraglia  (professora do Departamento de Engenharia Química da UNIFESP))

Tema: Meio Ambiente, avaliação de impacto à saúde e pandemia: contribuições à gestão ambiental